O pesadelo das camas extra nos Serviços de Medicina Interna

O pesadelo das camas extra nos Serviços de Medicina Interna

346

Para os Internistas portugueses, a carência de camas de internamento para os doentes que delas necessitam e que afluem ao Serviço de Urgência, aumenta bastante no Inverno. Começa em dezembro e prolonga-se até ao final de maio. Depois disso, ficamos nos 98 por cento de lotação do costume, sem qualquer capacidade de resposta a um acréscimo do afluxo.

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) realizou no dia 18 de fevereiro um inquérito aos Serviços de Medicina Interna, para conhecer em concreto o número de camas extra e de doentes com internamento concluído que tinham à sua responsabilidade nesse dia.

Responderam 78 Serviços de Medicina Interna de todo o país, para um total de 103, o que corresponde a 76 por cento de respostas.

Todos os Serviços de Medicina Interna tinham taxa de ocupação de 100 por cento, da sua lotação base de 4.866 camas.

Verificou-se também que estes serviços tinham à sua responsabilidade mais 2.142 camas extra, um aumento de 44 por cento, distribuídas por 1.140 doentes internados noutros serviços do hospital, 841 doentes internados no Serviço de Urgência, e 161 doentes nos Serviços de Medicina Interna, acrescidos à sua lotação.

Esta é a primeira vez que podemos contabilizar este enorme acréscimo de trabalho a que os Internistas são submetidos num período nunca inferior a 3 meses (mais de 44 por cento), que tem de ser contabilizado como produção adicional.

Também é muito revelador o grande número de doentes internados nos Serviços de Urgência (841), que tem sido o grande fator de demissão de muitos chefes de equipa de urgência por todo o país, muitas vezes confrontados com passagens de turno com mais de 100 doentes.

Não é possível continuar a esconder este problema sério, todos os anos repetido. Tem de haver um plano de resposta em cada hospital! Mas, embora possa e devam ser dadas respostas locais, são imprescindíveis diretivas nacionais, que garantam a equidade entre os hospitais, com qualidade e segurança no tratamento dos doentes.

João Araújo Correia
Internista e Presidente da SPMI

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close