Home » Cultura » Cinema » “O Nosso Consul em Havana” nos cinemas em Novembro
"O Nosso Consul em Havana" chega às salas em Novembro

“O Nosso Consul em Havana” nos cinemas em Novembro

O filme de Francisco Manso √© uma fic√ß√£o livremente inspirada no per√≠odo em que E√ßa de Queiroz foi C√īnsul de Portugal nas Antilhas espanholas.

√Č do conhecimento geral que Jos√© Maria de E√ßa de Queiroz √© considerado um dos mais brilhantes e internacionais escritores da literatura portuguesa, tendo escrito nove romances, v√°rios contos e in√ļmeros artigos de jornais.

Mas talvez n√£o seja t√£o difundido que E√ßa dedicou a sua actividade profissional √† carreira diplom√°tica, tendo come√ßado precisamente por Cuba em 1873, da√≠ seguindo para Newcastle e depois para Bristol, onde esteve entre 1874 e 1878. Finalmente, em 1888 seria nomeado c√īnsul em Paris, que foi o seu √ļltimo posto consular.

Chegado a Havana com 27 anos, imbu√≠do das novas correntes ideol√≥gicas (a Democracia, o Socialismo e a Rep√ļblica) e liter√°rias (o Positivismo e o Realismo) que circulavam pela Europa de ent√£o, E√ßa encontra uma ilha onde se defrontavam duas pot√™ncias ‚Äď uma em decl√≠nio, a Espanha, outra em ascens√£o, os Estados Unidos da Am√©rica ‚Äď e onde ainda vigorava a escravatura, mas tamb√©m onde j√° fermentava o esp√≠rito independentista dos cubanos, atrav√©s de conspira√ß√Ķes e pronunciamentos, que culminaram na ren√ļncia da Espanha √† ilha, em Dezembro de 1898.

Em Cuba, E√ßa encontrou milhares de chineses que, acossados pela fome no seu pa√≠s, embarcavam para a col√≥nia Espanhola, sobretudo a partir do porto de Macau, atra√≠dos para as planta√ß√Ķes de cana-de-a√ß√ļcar por intermedi√°rios gananciosos e que os exploravam como escravos.

Ao contrário de muitos países, que se colocaram à margem do problema (caso da Inglaterra, que se limitou a impedir a saída dos chineses pelo porto de Hong-Kong), o governo português reconheceu a esses chineses a protecção do consulado português, visto que possuíam documentação portuguesa, por terem partido do porto de Macau.

O seu empenhamento em defesa desses chineses (os coolies), e a forma como o c√īnsul-escritor enfrentou as in√ļmeras oposi√ß√Ķes das autoridades locais e dos fazendeiros, s√£o um exemplo invulgar de humanitarismo, num tempo em que ainda n√£o havia inst√Ęncias supra-nacionais (tipo Organiza√ß√£o Internacional do Trabalho) que zelassem pelos direitos dos mais fracos. Nesse sentido, E√ßa foi grande um precursor da Defesa dos Direitos Humanos.

Mas Eça era também um boémio e sedutor e enquanto está colocado em Havana, não deixa por mãos alheias os seus méritos e vive um amor escaldante com Mollie Bidwell, filha do General americano Robert Bidwell, com falsa aura de herói da guerra da Secessão dos Estados Unidos da América. Mollie é uma jovem moderna e apaixonada que se sente tão à vontade à mesa do póquer como no jogo da sedução.

√Č desta imensa sucess√£o de eventos que Ant√≥nio Torrado, com a colabora√ß√£o de Jos√© Fanha, concebe o argumento que Francisco Manso converteu no filme que chegar√° √†s salas de cinema, previsivelmente em Novembro, atrav√©s da Zero em Comportamento / Projectos Paralelos.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.