Home | Economia | Negócios | Têxteis na Zona Euro registam quebras em 2020
Têxteis na Zona Euro registam quebras em 2020

Têxteis na Zona Euro registam quebras em 2020

O volume de negócios da indústria têxtil e de vestuário na Zona Euro deverá registar uma quebra de -19% em 2020. Em consequência disso, cerca de 158 mil postos de trabalho e 13 mil empresas poderão desaparecer até ao final de 2021, estima a Euler Hermes, acionista da COSEC – Companhia de Seguro de Créditos.

De acordo com o estudo “Bruised but not beaten, Europe’s textile industry is a perfect candidate for a greener and digital recovery”, recentemente publicado, está em causa 8% do total do emprego criado por este setor e 6% das suas empresas, num contexto em que o PIB das economias da Zona Euro vai registar uma quebra de -9%. O facto de a indústria têxtil e de vestuário ter o dobro da prevalência de Pequenas e Médias Empresas (PME) em relação à média verificada na indústria fabril torna este setor mais vulnerável a contextos de crise.

Portugal, com queda de -19%, representa cerca de 7% do volume de negócios da indústria europeia

Tal como outros países europeus, Portugal assistiu a uma perturbação substancial nas atividades de retalho e de fabrico, na sequência do surto de Covid-19. A líder mundial em seguro de créditos estima que Portugal registou uma quebra de -19% no volume de negócios entre janeiro e maio de 2020 em comparação com o período homólogo do ano passado. As perspetivas para 2020 continuam sombrias devido ao baixo interesse dos consumidores, mas prevê-se que o crescimento volte a recuperar a partir de 2021.

Os economistas da Euler Hermes indicam que Portugal é um país secundário mas significativo na indústria têxtil, representando cerca de 7% do volume de negócios da indústria europeia. Cerca de 16 mil empresas operam neste setor no país, o que corresponde a um total de 180 mil postos de trabalho. O volume de negócios da indústria vinha registando um crescimento saudável nos últimos anos, crescendo cerca de 10% entre 2010 e 2019. As exportações têxteis representaram 12% do total das exportações portuguesas no ano passado.

Itália mais afetada, Alemanha resiliente

A líder mundial em seguro de créditos estima que, na Zona Euro, a Itália tenha o declínio mais acentuado até ao final do ano (-22%), devido a um primeiro trimestre conturbado e a uma exposição comparativamente maior às demais economias em relação ao mercado retalhista do vestuário. As vendas perdidas durante o confinamento, estimam os economistas, dificilmente serão compensadas ao longo do ano e o aumento do desemprego em toda a Europa pesará nas compras de vestuário.

Por outro lado, o estudo estima que a Alemanha terá melhores resultados pelas razões exatamente opostas, ou seja, um início do ano menos dramático e uma menor exposição ao mercado retalhista da moda. Os fabricantes alemães deverão ver o volume de negócios diminuir em -11% em 2020. Já a França estará numa situação intermédia, com um impacto de -17% em 2020, indicam os analistas.

Reviver a última grande crise

Os economistas da Euler Hermes estimam que a deterioração deste setor tenha uma magnitude semelhante à verificada durante a última grande crise. Entre 2008 e 2019, o setor têxtil e do vestuário perdeu cerca de 600 mil postos de trabalho e 22 mil empresas, e espera-se que esta tendência se acentue. Tendo em conta as características da atual crise, prevê-se que o emprego total do setor diminua até -8% (cerca de 158 mil postos de trabalho) e o número de empresas sofra uma redução de -6% (cerca de 13 mil empresas), em comparação com -13% e -7% em 2009, respetivamente.

Apesar de o impacto nas receitas ser maior, espera-se que a indústria têxtil e do vestuário esteja mais bem preparada para recuperar. Tendo em conta um quadro de flexibilização progressiva da emergência sanitária e de apoio fiscal e monetário à economia, os analistas estimam que a faturação cresça cerca de +15% em 2021, e que regresse aos níveis pré-crise em 2023. Contudo, os analistas preveem que o crescimento será mais difícil de alcançar, dependendo de, por exemplo, dos fluxos turísticos internacionais.

Aposta na sustentabilidade pode ser a solução

Os economistas da Euler Hermes acreditam que a implementação de medidas destinadas a acelerar as várias iniciativas da indústria para reduzir a sua pegada ambiental poderá favorecer os fabricantes europeus que alinhem os seus interesses empresariais com as metas ambientais da Comissão Europeia. Neste sentido, os analistas consideram que a recuperação pode passar pelo investimento em qualidade em detrimento da quantidade, contornando lógicas de ‘fast-fashion’.

Estima-se que a produção têxtil gere cerca de 10% das emissões globais de gases com efeito de estufa. Esta indústria é também uma grande consumidora de recursos hídricos, e estima-se que 73% de toda a produção têxtil seja incinerada ou depositada em aterro.

Entre 2000 e 2015, a utilização média de vestuário (o número médio de vezes que uma peça de vestuário é usada) diminuiu cerca de 35%, enquanto os volumes globais vendidos duplicaram, atingindo mais de 100 mil milhões de artigos por ano, evidenciando a crescente proeminência da ‘fast-fashion’. Ao analisarem o volume de vendas a retalho do setor dos têxteis e vestuário em lojas especializadas e a população ao longo do tempo, os economistas verificaram que o consumo cresceu mais de +25% na Europa, com a França (+31%) e o Reino Unido (+87%) a registarem os aumentos mais significativos desde 2000.

O estudo revela ainda que a adoção de novas tecnologias também poderá ser benéfica para a indústria, uma vez que as PME representam grande parte do setor e não têm necessariamente capacidade de desenvolverem programas de Investigação e Desenvolvimento (I&D) dispendiosos. Ao ter em conta o impacto das medidas de confinamento no comércio retalhista e a lenta recuperação nas viagens internacionais, o apoio ao desenvolvimento do e-commerce pode também ajudar os fabricantes a aumentar o seu alcance e a mitigar os seus riscos.

Sobre a COSEC

A COSEC é uma empresa portuguesa que lidera em Portugal nos ramos do seguro de créditos e caução. Disponibiliza as melhores soluções para apoiar a gestão e controlo de vendas a crédito, bem como para caucionar obrigações contratuais.

Desde a constituição, em 1969, a COSEC é responsável pela gestão do Sistema de Seguro de Créditos com Garantia do Estado português, que apoia as empresas na exportação e internacionalização para países de risco político agravado.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close