Nove meses para uma consulta de Oftalmologia no Algarve

Nove meses para uma consulta de Oftalmologia no Algarve

140

O Algarve é uma das regiões do país onde os tempos de espera estimados para uma consulta de oftalmologia não-urgente, podem chegar aos nove meses, segundo a Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO), que divulga dados que apontam para tempos de espera de 262 dias em Portimão, 141 dias em Lagos e 99 dias em Faro.

A oftalmologia é das especialidades com maiores tempos de espera no Serviço Nacional de Saúde em Portugal. Segundo um estudo da Universidade Nova, dois terços dos casos de deficiência visual e cegueira seriam evitáveis com um diagnóstico realizado a tempo.

Em 2014, Portugal assinou um compromisso com a Organização Mundial de Saúde para reduzir a cegueira e deficiência visual evitável em 25% até 2019, onde se comprometia, entre outras coisas, a que todos os portugueses tivessem acesso a cuidados primários de visão, que implicaria a contratação de mais oftalmologistas, enfermeiros e optometristas.

Com listas de espera mínimas de dois meses, Portugal continua a não cumprir com compromisso “Saúde de Visão Universal” assumido com a Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2014, que visa a redução da cegueira e deficiência visual evitável em 25% até 2019 e que, para tal, seria necessária a contratação de oftalmologistas, enfermeiros e optometristas para o Sistema Nacional de Saúde.

Assinado em 2014 por todos os estados-membros da Organização Mundial de Saúde (OMS), o compromisso global intitulado “Saúde de Visão Universal”, tem como objetivo reduzir em 25% a cegueira e a deficiência visual evitável até 2019. Portugal comprometeu-se então, como os restantes estados-membros, a reduzir os tempos de espera no Serviço Nacional de Saúde (SNS), formar profissionais da saúde da visão qualificados (oftalmologistas, enfermeiros e optometristas) e garantir que todos os cidadãos tenham acesso a consultas de optometria, como a especialidade que assegura os cuidados primários na saúde visual e que, em caso de doença ocular, reencaminha para a especialidade de oftalmologia.

O recurso a optometristas, tal como recomendado pela OMS, permite libertar o oftalmologista para o tratamento de doenças oculares onde o seu papel é essencial e indispensável, libertando-o assim da avalanche de casos que seriam adequadamente resolvidos nos cuidados primários, tal como indicando no relatório Bases de Reflexão para um Programa Nacional de Saúde da Visão. A ausência de optometristas no SNS é uma das principais causas para o estrangulamento dos serviços de oftalmologia de vários distritos, como por exemplo, na unidade de Chaves do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, o tempo de espera por uma consulta é superior a dois anos.

De acordo com dados da Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira (IAPB), existem cerca de 285 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo que, quatro em cada cinco destes casos seriam evitáveis se tivessem acesso atempado a uma consulta com um optometrista e respetivos cuidados médicos. Em Portugal, o número de pessoas que sofre de algum tipo de deficiência visual ultrapassa os 2 milhões e, segundo o Conselho Europeu de Optometry e Óptica, Portugal é um dos 3 países europeus onde o acesso à profissão de Optometrista não está regulamentado e onde os Optometristas ainda não estão integrados no Serviço Nacional de Saúde, apesar do compromisso assumido com a OMS.

A não regulamentação da especialidade de optometria, permite também que neste momento haja em Portugal mais de dois mil indivíduos a exercerem a profissão sem as qualificações necessárias ao desempenho clínico da função, diagnosticando e aconselhando pacientes para tratamentos clínicos.

Em Março deste ano, um estudo da Universidade Nova, divulgado pela APLO, da autoria de Alexandre Lourenço e Pedro Pita Barros, intitulado “Saúde da Visão – Impacto Sócio Económico” estima que anualmente, os custos da baixa de produtividade causadas pelas deficiências visuais ascenda a valores entre os 203 e os 722 milhões de euros e que o custo para contratar um milhar de optometristas para o SNS, permitiria cobertura nacional de cuidados primários para a saúde da visão, num investimento que se traduziria em 28 milhões de euros.

Atualmente, o tempo médio de espera para uma consulta de oftalmologia no SNS ronda os seis meses[i], tempo que agrava os sintomas dos utentes, de forma irreversível em muitos dos casos. Em hospitais como o de Chaves, o tempo de espera indicado para uma consulta de oftalmologia é de 1.046 dias, em Santarém de 497 dias e Aveiro 331 dias. Na região do Algarve, em Portimão a lista de espera é 262 dias, Lagos 141 e Faro 99 dias.

Para seguir o percurso tradicional do SNS, o utente tem de ser reencaminhado pelo médico de família para uma consulta de oftalmologia, no entanto, há mais de 770 mil utentes sem um atribuído. Segundo o referido estudo, dois terços dos casos de perda de visão após os 50 anos são evitáveis com diagnóstico e tratamento atempado.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close