PUPILOS DO EXÉRCITO – CRIAR CIDADÃOS ÚTEIS À PÁTRIA

567
Americo ferreira

Américo Ferreira

Nunca, como nos dias de hoje, se justifica tanto que o nosso olhar para a sociedade deva ser um olhar de integração, de procura de soluções, de optimização de meios. A situação de crise generalizada leva a que muitos de nós tenhamos de cortar em despesas e de rever alguns hábitos, algumas formas de viver que, até há bem pouco tempo, se davam como adquiridas.

O mesmo se passa com o universo das instituições. E nesse grande e imenso universo de gabinetes, de secretarias, de fundações, de empresas públicas, etc., etc., mais uma vez surge uma nuvem negra sobre os Pupilos do Exército.

O Ministro da Defesa criou um grupo para equacionar o futuro dos estabelecimentos militares de ensino. Mais uma vez, o olhar cai especialmente sobre a “nossa” escola.

Compreendemos, mais que ninguém, pois fomos educados numa vertente profissional, que na Sociedade Portuguesa há que optimizar meios, que lutar contra o desperdício, e que tentar conter muito da sangria de recursos que claramente andava a ser feita há dezenas de anos.

Mas há que ter a clareza de ideias para compreender que não é no corte cego que se reduz a despesa. Ela pode surgir como solução para o imediato, mas tem um preço muito caro na construção do futuro.

Quantos não foram já os pensadores, dos mais variados quadrantes ideológicos, a afirmar que é na Educação que um povo semeia o seu futuro? Ora, em muito devemos cortar, mas não na educação, especialmente na de cariz profissionalizante.

Tanto se fala hoje de que temos no desemprego a mais bem qualificada geração de sempre, mas falta saber se as qualificações, efectivamente, resultam numa nova atitude de “saber-fazer”, de empreender.

Nesse sentido, a Direcção da APE (Associação dos Pupilos do Exército), em coordenação com a Direcção do IPE (Instituto dos Pupilos do Exército), fez chegar ao referido grupo de trabalho, assim como às entidades que tutelam, quer o Instituto, quer as áreas onde o Instituto é relevante, um documento onde se apontam as linhas do que pode ser uma verdadeira optimização que não passe pela destruição.

Reunindo as boas-vontades de alguns “pilões” (nome dado aos alunos e antigos alunos) elaborou-se um documento de trabalho que analisa o actual quadro, indo buscar as mais-valias da nossa escola, potenciando-as. O projecto de ensino profissional não está esgotado, antes pelo contrário. A forma vanguardista com que foi sendo retomado ao longo da História, actualizou-se, de tal forma que hoje tem mais de 80 candidatos para o próximo ano lectivo!

Recordo sempre a magistral máxima do Decreto de 25 de Maio de 1911 (decreto que cria o Instituto dos Pupilos do Exército, pelo General António Xavier Correia): “Há que criar cidadãos úteis à Pátria”.

A função social e educativa dos Pupilos do Exército está em contínua actualização. Basta procurar as vias da rentabilização económica, deixando o projecto educativo trilhar o seu caminho. Foi esse o “trabalho de casa” que fizemos, mostrando-o a quem de direito.

O regresso das inscrições em número muito assaz interessante é o sinal, a marca, o fruto, que já se colhe com a nova dinâmica lançada no IPE nos últimos anos. É a prova de que a nossa escola está no bom caminho.

Por: Américo Ferreira
“escreve sem acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close