Home | Economia | Internet | Marketplaces crescem 37,5% durante a pandemia
Marketplaces crescem 37,5% durante a pandemia

Marketplaces crescem 37,5% durante a pandemia

Se é verdade que o comércio online estava em franco crescimento em todo o mundo antes da pandemia ter tomado conta das nossas vidas, durante o último ano e meio essa expansão foi expressiva, com especial contributo dos marketplaces das redes sociais.

Esta é a principal conclusão da segunda edição do “Top 100 Cross-Border Marketplaces Europe”, relatório da autoria do Cross-Border Commerce Europe, plataforma europeia que monitoriza o desenvolvimento do comércio eletrónico transfronteiriço na Europa, incluindo o Reino Unido, a Suíça e a Noruega.

Segundo este documento, os marketplaces registaram, em resultado da pandemia de Covid-19, um crescimento de 37,5% na Europa tendo atingido um volume de 115,4 mil milhões de euros transacionados, ou seja, 58% do volume total (198,5 mil milhões de euros) de bens e serviços comprados e vendidos através do canal online.

eBay, AliExpress e Amazon lideram a tabela de preferências

No topo da tabela do “Top 100 Cros-Border Marketplaces”, encontramos, sem grande surpresa, plataformas como o eBay, AliExpress e Amazon, mas é de sublinhar o forte crescimento dos marketplaces C2C focados em produtos em segunda mão e vintage, casos do OLX, que entrou no top 10, e da app de moda Vinted.

Ainda no setor da Moda, um dos que mais cresceu durante a pandemia, uma palavra para a plataforma Zalando que, só no ano fiscal de 2020, registou um crescimento de 30,4% que corresponde a 10,6 mil milhões de euros em vendas e mais de cinco mil milhões de euros em vendas transfronteiriças na Europa. Para a obtenção destes resultados, em muito contribuiu o aumento da base de clientes ativos da Zalando que, durante o último ano, cresceu 25%, para 38,7 milhões de utilizadores.
Para além da Moda, também o setor das entregas de alimentos obteve um forte desempenho durante a pandemia, com a Uber Eats a entrar neste top 10.

Top 10 Marketplaces em volume de negócios

1. eBay (USA)
2. AliExpress (China)
3. Amazon (USA)
4. Etsy (USA)
5. Vinted (Lituânia)
6. OLX (Países Baixos)
7. Wish (USA)
8. Discogs (USA)
9. Zalando (Alemanha)
10. Uber Eats (USA)

Portugal não escapa ao crescimento do comércio eletrónico

Apesar de não existirem dados específicos sobre a performance dos marketplaces em Portugal, se atendermos aos números revelados pela Associação de Economia Digital e pelo Barómetro CTT E-commerce verificamos que o e-commerce registou, durante a pandemia, um forte aceleramento.

Se a Associação de Economia Digital nos diz que o setor do e-commerce em Portugal saltou de um valor global de 2 mil milhões de euros em 2019 para um valor recorde de 8 mil milhões de euros no ano passado, o relatório dos CTT, por sua vez, aponta para um crescimento de cerca de 90% no número de empresas a vender online e um aumento de 30% no volume de encomendas realizado através dos meios online. Isto significa, segundo os CTT, um crescimento de 80% no comércio online em pouco mais de um ano e um aumento de 25% na taxa de recorrência das compras online feitas pelos consumidores portugueses.

Como vender através de um Marketplace?

Menos onerosos do ponto de vista técnico, burocrático e logístico, os marketplaces tendem a ser a escolha de quem, não tendo escala que justifique a criação de uma plataforma de venda online de raiz, quer colocar os seus produtos ou serviços à venda da forma mais simples e rápida possível.

Ainda que não estejam interditos a empresas de grande dimensão, muitas até o utilizam como complemento à sua atividade, os marketplaces, em termos simples, são como uma espécie de mercado onde as “bancas” já estão criadas e o agente económico só têem que se preocupar em colocar os seus produtos/serviços “em cima da banca”, tratar do marketing e receber o pagamento.

Se as duas primeiras dimensões baseiam-se, sobretudo, na criatividade do empreendedor e são relativamente fáceis de concretizar, no que toca aos pagamentos online, como estes são fundamentais para que o processo de checkout (finalização de compra) decorra sem atritos e, consequentemente, ofereça ao cliente uma experiência de compra satisfatória, há que saber dotar o Marketplace de soluções que tecnologicamente avançadas que caminhem de mão dada com os hábitos dos consumidores.

Uma dessas soluções de pagamentos online tem o dedo da REDUNIQ, e dá pelo nome de REDUNIQ@Payments.

Esta solução chave na mão permite receber pagamentos por WhatsApp, e-mail e , SMS, por cartão Multibanco, Visa e Mastercard, por referência Multibanco ou MB WAY mesmo que não tenha um site, como é o caso de quem vende através dos marketplaces.

De forma simples e segura, o @Payments disponibiliza uma plataforma, otimizada para smartphones e tablets, onde o negócio cria um link, que pode ser enviado por e-mail, SMS ou WhatsApp para o cliente. Quando receber o link, o cliente só tem de clicar e será reencaminhado para uma página segura REDUNIQ.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.