O QUE NOS FAZ FALTA…

Demissão deste governo?… Sim!
Eleições?… Sim!
Mas será apenas isto que nos faz falta!?…

Ernani Balsa

Ernani Balsa

Na situação em que o país se encontra, é tão vasta a quantidade e qualidade de soluções e projectos que nos faltam cumprir, que estas duas urgências acima referidas, são mesmo só isso. Urgências, que são preciso ultrapassar, sem hesitação, mas não sem a reflexão e o bom senso que se impõem.
O tecido social, político e ideológico está de tal maneira coçado, qual manta através da qual os finos e frágeis fios que lhe aguentam ainda a textura, deixam inexoravelmente passar o frio e o desconforto de todo um povo, que muito cuidado se deve ter para que os excessivos maus tratos que se tem dado ao agasalho, não resulte em rasgões irremediáveis e continuados, até ao esfrangalhamento total daquilo que conquistámos depois de 48 anos de vida, inquestionavelmente abaixo das nossas possibilidades.
Algo mais que dois actos constitucionalmente previstos, a demissão e a convocação de eleições, vai ser absolutamente necessário para reencaminhar este país perdido, desorientado e manipulado. A demissão é um acto de nítida emergência, qual o estancar duma hemorragia fatal… Já as eleições, são apenas um processo de recuperação, com efeitos secundários e que, se não acompanhado de cuidados especiais, levará certamente a nova recaída, que poderá tornar-se ainda mais destruidora das escassas defesas de que o paciente nunca deixou de necessitar. Eleições, neste cenário que durante 39 anos foi sendo montado, qual circo democrático para conforto e entretenimento duma maioria, que entre eleições se alheia da vida comunitária, de pouco servem, porque, pura ilusão, os votos, por si só, não legitimam ninguém nem correspondem a boas prática de governação e respeito pelas populações. Todos os dias e a todo o instante temos de renovar o nosso voto, avaliá-lo e brandi-lo à frente de quem se disponibilizou a dele fazer uso para o bem colectivo e encontrarmos maneira de levar os governos ao exercício de uma governação honesta e consequente, lembrando-lhes sempre que são eles que estão ao nosso serviço e não o país que se deve prostrar perante a sua prosápia e possidónia inabilidade, e muito menos a sua má-fé e desonestidade… Nenhum governo é legítimo se não respeitar as suas próprias promessas e o país que jurou servir.
O que faz falta, é portanto, uma constante tarefa de verificação da qualidade da nossa democracia e das formas de governo. É um esforço nacional. Um acto permanente de cidadania, mas cidadania activa e efectiva. Os cidadãos têm de sê-lo a tempo inteiro e para isso devem disponibilizar-se para constituírem as mais diversas formas de monitorização das instituições. São necessários movimentos, associações e plataformas que constituam uma consciência colectiva, que não mais permita que sejam apenas os partidos e as suas máquinas a ditarem o que é e o que não é. Os partidos são instrumentos legítimos e louváveis numa democracia plena, mas a democracia não se esgota neles. O cidadão independente, lúcido e responsável tem que ter também o seu lugar e as mesmas possibilidades de servir o país com o seu contributo a todos os níveis. Os partidos não se podem sobrepor à entidade mais importante de qualquer país, os seus cidadãos e ao próprio país. Acima de tudo, não podem servir-se das suas estruturas para controlarem e limitarem os seus apoiantes e muito menos toda a população de um país, só porque podem constituir maiorias no parlamento. A aritmética das maiorias só funciona quando para além dela existe uma maioria de bom senso e respeito por todos os outros. Não precisamos de capatazes nem de carcereiros. Precisamos de líderes com visão estratégica, com honestidade e acima de tudo, com humanismo. Mas de verdadeiros líderes, que tanto se assumam a nível interno, como a nível externo, e tenham uma espinha dorsal a toda a prova, que não os leve a vergarem-se à mais leve pressão exercida por quem julgue que pode mandar num povo que é independente há séculos.
A própria Europa pode ser uma ideia positiva, mas não se pode substituir aos países. A ideia de que a Europa a tudo se pode sobrepor, é em si mesma, um atentado à soberania dos povos que a constituem. A sua componente económica e financeira deve estar em equilíbrio com as componentes políticas, sociais e culturais, sob pena de se perderem todas as identidades dos seus povos e nada se ganhar, porque não é possível nem desejável inventar uma nova identidade europeia, porque essa é subjacente à soma das diferenças de todas elas. À sua complementaridade. Ao respeito que todas elas devem merecer na unidade e diversidade de cada uma.
Internamente, Portugal precisa de se reconciliar consigo próprio. Acreditar que é possível reerguer-se sem perder a sua soberania. Reencontrar-se nas diferenças e consonâncias, que mais do que nos separar, nos devem levar ao encontro de uns e outros. Os portugueses têm de acreditar que não é na subserviência de uns perante os outros, nem nas trincheiras inexplicavelmente cavadas entre gerações, profissões e corporações, sectores público e privado, regiões ou opções ideológicas, qualificações académicas e formação, que reside a competitividade e o direito ao progresso. O nosso futuro reside na universalidade e integridade de múltiplos projectos, a vários níveis, todos eles concretizáveis e reflexo de inúmeras potencialidades que até aqui têm sido menosprezadas. A cultura, o conhecimento, a investigação e a aposta numa educação competente e disponível a vários escalões das nossas necessidades evolutivas, tem de ser uma realidade que não se baseie apenas numa luta constante entre pequenas vaidades e egoísmos, que se traduzem num salve-se quem puder, que muitos ainda associam a um errado conceito de competitividade e de sucesso. O sucesso só é válido quando for benéfico à maioria e representar, não uma sociedade cientificamente sem classes, mas sim uma sociedade diversificada, e equilibrada sob o ponto de vista das necessidades básicas de desenvolvimento que a todos faculte oportunidades.
Faz falta também a Portugal saber arriscar e não escolher sempre os mesmos. Dar oportunidade a todas as forças políticas com raiz democrática e abrir caminho a novas formas de exercer o poder, de constituir coligações, de encarar os desafios com abertura e sentido de responsabilidade, venham de onde vierem essas capacidades e esses empenhos. A alternância, como solução única, é inimiga das alternativas que podem existir e nunca ninguém pôde por em prática. Outras formas de exercer cidadania, mesmo fora dos partidos ou em conjugação com eles, podem trazer à política agentes muito mais dotados, que até aqui não têm tido aceitação, só porque não se submetem a disciplinas e práticas partidárias. Democracia é tudo isto e todas as outras alternativas que respeitem o significado desta via de organização em sociedade.
Por tudo isto, são bem-vindas, todas as iniciativas de aproximação entre os portugueses e uma inequívoca recusa ao aparecimento de messias ou salvadores da pátria. É no conjunto da sociedade que se pode encontrar a solução e nunca numa personalidade qualquer que se sinta investida dum qualquer dom mágico de a todos se sobrepor. É certo que precisamos de líderes, mas líderes não são salvadores, são cidadãos honestos e íntegros, capazes de congregar esforços colectivos, de agilizar projectos de especialistas ou até mesmo do cidadão comum e de ajudar a criar uma força anímica comum a todos os estratos da população. São, acima de tudo, pessoas honestas, desprendidas do poder, mas que com ele conseguem construir pontes e alcançar objectivos, cidadãos de boa vontade e úteis ao país e não cidadãos que se sirvam do país…
O que nos faz falta é aquilo que a maioria dos responsáveis pelo destino deste país, durante os últimos anos, não nos tem dado.
O que nos faz falta são cidadãos honestos com o sentido do dever e de servir Portugal e os portugueses!…

Por Ernani Balsa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close