Ramos Horta desmente Cavaco Silva sobre adesão da GC à CPLP

O ex-presidente Ramos Horta, diz que Timor Leste não teve qualquer influência na adesão da Guiné Conacri à CPLP, limitando-se a ser o país anfitrião da cimeira da adesão e classificando de “falsidade” a afirmação de que o seu país, fazia parte do lóbi que impôs essa adesão.

Numa resposta a Cavaco Silva, na rede social Facebook no mesmo dia em que foi tornado público o texto do Presidente português, que justificava a entrada da Guiné Equatorial (GE) com os “danos” diplomáticos que provocaria a Timor-Leste, país que acolheu a cimeira onde a adesão foi ratificada, Ramos-Horta recorda que quem liderarava o lóbi favorável a Malabo na CPLP, era Angola e o Brasil.

“O lóbi pela admissão da GE [Guiné Equatorial] na CPLP foi sempre desencadeado por Angola e pelo Brasil, com o apoio de todos os outros Países Africanos da CPLP, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe”, escreve Ramos-Horta.

“A reunião ministerial da CPLP que precedeu a Cimeira de Dili já tinha acordado, consensualmente, na adesão da GE. Perante a postura firme de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Angola, Portugal anuiu. Timor-Leste simplesmente secundou esta posição”, escreve ainda.

No prefácio do “Roteiros IX”, publicação que reúne as suas principais intervenções do último ano, o Presidente da República portuguesa justifica a aceitação, por parte de Portugal, da entrada da Guiné Equatorial com o facto de não colocar em causa a coesão da CPLP e de não prejudicar Timor-Leste.

“Tendo existido um grande empenho das autoridades timorenses na adesão da Guiné Equatorial, um veto português significaria o fracasso da cimeira, com elevados danos reputacionais para Timor- Leste”, frisa, recordando que a cimeira era também vista como um teste à capacidade de Timor-Leste para satisfazer as exigências da participação na ASEAN, a que era candidato.

“Sendo a adesão fortemente apoiada pelos países africanos de língua oficial portuguesa, pertencentes ao mesmo espaço regional que a Guiné Equatorial, a que se juntava o Brasil e Timor-Leste, um veto de Portugal poderia, no limite, pôr em causa a própria sobrevivência da CPLP”, sublinha.

Lembrando a “forte hostilidade” que o assunto suscitava em Portugal, com muitos a reclamarem que Portugal vetasse a adesão, Cavaco Silva refere que “Portugal apresentou-se em Díli, como se impõe em política externa, com uma posição concertada entre o Presidente da República e o Governo”.

Ramos Horta critica as tentativas de “atribuir a Timor-Leste a responsabilidade pela admissão da Guiné Equatorial na CPLP”, o que considera ser um “falsidade que tem sido propagada nos media portugueses desde a Cimeira de Dili de Julho de 2014”.

Lusa/CS

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close