Home | Crónica da Semana | Opinião | Almaraz a Bomba pronta a explodir na porta ao lado
Almaraz a Bomba pronta a explodir na porta ao lado
Almaraz a Bomba pronta a explodir na porta ao lado

Almaraz a Bomba pronta a explodir na porta ao lado

A Central Nuclear “Almaraz” instalada na província de Cáceres, Extremadura Espanhola, a dois passos da fronteira portuguesa, deveria ter encerrado em 2010, mas continua a laborar, por entre falsas medidas de segurança, avarias, equipamentos caducos e perigosas infiltrações.

Como se não fosse suficiente, o Governo Espanhol ainda autoriza a construção de um armazém de resíduos nucleares na área da central, o que a acontecer, eleva o risco de uma catástrofe, para níveis incontroláveis, ao arrepio de exemplos e consequências já conhecidos no planeta.

Segundo a imprensa do país vizinho e apesar de agora o negar, a administração daquela central, foi obrigada a admitir “o incumprimento das especificações referentes à proteção contra incêndios”, sabendo-se entretanto que o Conselho de Segurança Nuclear, detetou a falsificação de documentos, no plano de gestão de medidas contra incêndios.

Instalada junto ao Rio Tejo, que alimenta a central, não há garantias de que o sistema de refrigeração daquela instalação nuclear, funcione com normalidade, conhecidas que são as falhas que ocorreram recentemente, nos motores das bombas de refrigeração.

É urgente que o Governo português assuma uma posição de força, que trave a iniciativa de Espanha no que se refere à construção do armazém de resíduos nucleares, naquele espaço e pressione o mesmo governo, recorrendo se necessário, às instituições internacionais, para que a atividade da central não se prolongue até 2023, como está planeado pelo diretório Espanhol.

A decisão de prolongar a vida e laboração daquela instalação, conhecidos os riscos que são latentes, sobretudo ao arrepio das normas de segurança nuclear, deve configurar um crime contra a humanidade, por cometimento consciente e irresponsável, na eventualidade de ocorrer uma tragédia.

Por isso, está mais do que justificada uma mobilização nacional, contra a laboração da Central Nuclear de Almaraz, uma vez que a distância a que a mesma se encontra da nossa fronteira, é curtíssima, apenas 100 kms, o que numa situação de acidente nuclear, nos afeta diretamente de forma catastrófica, com consequências e danos irreparáveis durante muitas décadas.

Carlos Santomor

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close