Física de Partículas discutida na Universidade de Coimbra

222

Rolf Heuer, o atual Diretor-Geral do CERN – Laboratório Europeu de Física de Partículas e a sua sucessora no cargo, Fabiola Gianotti, que assumirá funções no início de 2016, vão estar na Universidade de Coimbra (UC), na próxima sexta-feira, dia 15 de maio, no âmbito de uma visita a Portugal da Comissão internacional ECFA – European Committee for Future Accelerators.

Trata-se de uma comissão formada no espaço do CERN, a primeira organização científica internacional a que Portugal aderiu há 30 anos, e que integra delegados dos diferentes países membros, entre os quais, diretores de grandes laboratórios nacionais como DESY (Alemanha) e Frascati (Itália).

A representação portuguesa tem sido assegurada por elementos do LIP – Laboratório Associado com cerca de oitenta investigadores doutorados, repartidos pelos polos de Lisboa, Coimbra e Minho, que concentra a quase totalidade das atividades nacionais em Física Experimental de Partículas.

Para além da definição da política europeia a respeito das futuras gerações de aceleradores, a ECFA promove visitas periódicas aos países membros do CERN para se inteirar da evolução da Física de Partículas e das áreas de conhecimento associadas, analisando oportunidades, desafios e dificuldades que se colocam às respetivas comunidades científicas.

De acordo com o Diretor do LIP – Coimbra, Rui Marques, «as opiniões desta comissão são posteriormente expressas num relatório que é levado ao conhecimento dos governos e agências financiadoras de cada país. Trata-se de relatórios que são da máxima credibilidade face à independência da comissão e ao reconhecido rigor do CERN e das suas comissões especializadas».

A importância dada pelos diferentes governos a tais opiniões «está, com certeza, por detrás do sucesso do CERN e da posição de liderança que a Europa assumiu no domínio da Física de Partículas. Uma posição que tem por base um conjunto de comunidades científicas dos diversos países, muito diferentes nos meios e formas de funcionamento, mas muito bem entrosadas e complementando-se de forma notável», realça o também docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

No caso português, a par de atividades de I&D quer em tecnologias de detetores, quer na computação distribuída, destaca-se a participação nas duas experiências do maior acelerador de partículas LHC, do CERN, que há cerca de dois anos descobriram a famosa partícula fundamental chamada “bosão de Higgs” (popularmente designada por “partícula de Deus”), e a intervenção em experiências de ponta na Astrofísica de Partículas – ligadas aos raios cósmicos, aos neutrinos e à deteção da dita “matéria escura” (que constitui muito mais do que a massa visível do Universo).

A vinda a Coimbra dos diretores do CERN ocorre num momento alto da história da instituição, uma vez que o LHC reiniciou recentemente a sua operação e acaba de alcançar a mais elevada energia de colisão entre partículas elementares jamais conseguida pelo homem: 13 TeV (treze milhões de milhões de eletrão volt)

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close