Governo inicia debate e definição estratégica pós-2020

Governo inicia debate e definição estratégica pós-2020

205

A CPCI – Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário, considera que o início do processo de debate e de consensualização do quadro estratégico para o próximo ciclo de investimentos pós-2020, vem dar resposta a uma das questões estruturais que sempre defendeu e que considera ser essencial para o País e não pode ser ignorado por nenhum agente económico, social ou político.

O presidente da CPCI, Manuel Reis Campos, considera mesmo que “esta é uma matéria cuja iniciativa cabe ao Governo, mas que assume um caráter suprapartidário. É obrigação de todos os partidos participar na definição de uma estratégia que fortaleça a posição nacional junto da restante Europa e, desta forma, permita defender adequadamente os nossos interesses”.

“Todos sabemos que este é um assunto da maior importância, porque o acesso ao financiamento europeu é imprescindível”, diz Reis Campos, e “todos os partidos têm o dever de procurar alcançar uma base mínima de entendimento em domínios tão relevantes como a conetividade internacional, a energia, a sustentabilidade e a própria política de cidades, incluindo a reabilitação urbana. Estes são temas que devem estar acima do combate político-partidário”.

O dirigente recorda que, “o Governo anterior, liderado pelo PSD, já tinha discutido e aprovado o PETI 3+, Plano Estratégico dos Transportes e das Infraestruturas, que também foi objeto de um largo consenso para um conjunto importante de obras a concluir até 2020 em diversas áreas como a ferrovia, portos, aeroportos, entre outros, num total que ultrapassava os 6 mil milhões de euros e a sua implementação foi assumida pelo atual Governo”.

“Portanto, se, em particular, os dois principais partidos, PS e PSD já estão de acordo num conjunto de obras que são essenciais para o País, se ambos têm o mesmo objetivo e reconhecem que Portugal não pode ficar à margem da restante Europa, então, não há motivo para adiarem entendimentos nestas matérias estruturantes”.

Num contexto em que a Europa aposta nas infraestruturas como estratégia prioritária para o desenvolvimento sustentado e a competitividade do espaço europeu, Reis Campos aponta para os últimos dados acerca do andamento da economia portuguesa, em que se verifica que praticamente um quarto (24,4%) do crescimento de 2,9% do PIB se deve ao investimento em Construção e, relativamente a este apelo ao consenso em torno do investimento, questiona:

“Será que é desta, que Portugal poderá contar com um verdadeiro pacto de regime, que permita um planeamento e calendarização para o futuro e que prevaleça face à indefinição dos ciclos eleitorais”?

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close