A saúde está a ser gerida por um pagode que se trata no privado

1201

Portugal registou nas primeiras duas semanas do ano, mais 1900 mortes do que no mesmo período de 2014, devido à gripe, mas o secretário de estado da saúde nega que esteja a verificar-se um período de emergência, a desculpa mais básica que existe, para dizer que não se faz, porque não se justifica fazer.

O caos que tem sido denunciado por profissionais e utentes nas urgências dos principais hospitais portugueses, que continua a somar mortes inexplicáveis, também é negado pelos mesmos responsáveis da saúde em portugal, incluido o líder da pasta.

Morrer hoje em dia por falta de assistência na urgência de um hospital público, está a transformar-se num caso curriqueiro, para o qual o único responsável é sempre o próprio morto, que teve a infeliz idéia de se dirigir a uma urgência, porque estava anormalmente doente.

A emigração de médicos para o estranjeiro, à procura de melhores condições de trabalho e remuneração, será segundo alguns especialistas, entre os quais o bastonário da ordem dos médicos, uma das causas para o caus na saúde portuguesa, mas para o ministério da saúde, isso não corresponde à verdade e também não é assunto que preocupe o ministro.

A sangria nos quadros de profissionais de enfermagem em praticamente todas a unidades de pequena ou maior dimensão, não justificam a implementação de políticas de reconhecimento e motivação,  de melhores condições de trabalho e incentivos reais, que travem a saída diária desses profissionais para o estrangeiro.

Os médicos que foram admitidos nos concursos realizados há um ano, que ainda aguardam a aprovação do ministério das finanças, para poderem entrar ao serviço, reduzindo com a sua prestação, o défice de profissionais que se verifica em hospitais e centros de saúde em Portugal, também não merecem celeridade para o Ministério da Saúde, que só agora enviou ao das finanças, a ronovação do pedido de autorização necessário, depois de ter deixado caducar o primeiro.

A urgência do hospital Amadora Sintra para não referir outros, atingiu a rotura nos momentos de pico que teve de enfrentar recentemente, não tendo segundo o ministro, capacidade para para atender o volume de doentes que lhe chega da área que lhe está atribuida, mas o senhor ministro da saúde, considera que fazer obras naquelas urgências ou construir um bloco específico para responder às necessidades, é uma decisão da administração daquela unidade hospitalar.

Por último as malabarices, com o agendamento e reagendamento de intervenções cirúrgicas e consultas de especialidade, por parte de algumas unidades hospitalares, jogando a seu belo prazer, com a vida e saúde dos doentes, é outro tema, que vai ganhando cada vez mais expressão, mas ainda não justificou uma investigação por parte das autoridades da saúde.

Portugal está a transformar-se num país envelhecido, doente, com a saúde pelas ‘horas da morte’, gerido por um pagode constituido por ‘personagens’, que quando tem uma constipação, só tem de recorrer ao privado, onde chegam a ser tratados gratuitamente, com todos os ‘salamaleques’, por serem quem são.

Numa qualquer empresa privada, tanta irresponsabilidade, desleixo e incompetência, já teria originado a demissão dos principais responsáveis pela trajédia, mas no caso da saúde em portugal, como se trata de um ‘ramo da família’, pouco importa, porque as mortes e as trajédias nem estão a acontecer nos gabinetes, sofre-se e a morre-se lá longe… a uma distancia segura para o poder.

Carlos Santomor

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close