PASSAGEM DE ANO

307
J.Antunes de Sousa

J.Antunes de Sousa

Há dias uma senhora que me não via há algum tempo disparou com a certeza de um arqueiro olímpico: “o senhor está com óptimo aspecto, há-de dizer-me qual o segredo”.

O que impressiona é a convicção da criatura: ela está absolutamente segura de que me está a fazer um grande elogio. Mas, bem vistas as coisas, não é isso elogio por aí além. Eu pelo menos não fiquei nada entusiasmado. Ela não fez mais do que exprimir a sua surpresa por, afinal, o meu aspecto não corresponder ao velho que ela me considera já e que julgava que eu deveria ser: tenho, segundo ela, bom aspecto, apesar de ser suposto não o ter. Ora bolas! É que a um jovem de vinte anos não se lhe diz uma coisa dessas – ele aparenta a idade que tem e pronto.

Este episódio, que raramente traduz mais que uma mera gentileza de circunstância, revela o quanto fazemos depender do tempo tudo quanto somos. As rugas são, neste sentido, as marcas daquilo que o tempo nos fez ou, talvez mais finamente, as marcas do que fizemos com o tempo. Em vez de fazermo-nos no tempo e a tempo, passamos o tempo a consumir-nos nele – e é por isso que envelhecemos e nos sumimos: “estou ralada, vejo o tempo a passar e não faço nada”. Essa ideia peregrina de que é preciso ocupar o tempo a fazer muitas coisas é a expressão da fraca ideia que temos acerca de nós próprios: o tempo é condição existencial, mas não é o absoluto da existência. A ideia taylorista de um balanço inventarial da quantidade de coisas que fizemos durante a vida é um equívoco trágico – um de entre muitos da nossa modernidade do stress e do prosac. É no instante, e só então, que me posso ser plenamente e não na quantidade do muito que possa ter. Por isso é que há quem não goste do Natal – que é um tempo de ser, um tempo de verdade. Preferem a passagem de ano – um tempo de vertigem, um tempo paroxístico e de ilusão. Afinal nada passa nessa suposta passagem, a não ser aquilo que nós próprios inventámos e decretámos que passasse – a data. E a data é só o modo de assinalar o como passam por nós as coisas – a data é, quanto muito, um sinal de trânsito. Mas não é, como se sabe, o sinal que conduz o viajante ao seu destino.

Há dias ouvi, num programa radiofónico, uns comentadores a fazerem, sempre com aquele tom categórico de arúspices iluminados, as habituais previsões para o ano 2014 – que não vai haver melhorias, que dificilmente nos livraremos de mais austeridade, de um enigmático “programa cautelar”,etc. E isto apesar de um ilusório aceno de melhoria dos indicadores macroeconómicos, mas porque vai haver feriados a calhar em dias de semana, porque vamos passar o tempo entretidos com o mundial de futebol no Brasil…Sempre a ideia fatalista e sociologista de que é de fora que a felicidade nos virá. E depois admiram-se que seja esquizofrénica a relação que nós, os portugueses, mantemos com o tempo: oscilamos entre a nostalgia dolente de um passado fixado em lamento e um futuro sebastiânico, feito de alvoroço e de arroubo.

Que o ano 2014 parece apresentar-se, como estes últimos, com má cara? Mas somos nós que temos que pôr boa cara – que não há ano sem ter dentro um homem que seja. Façamos de nós o que o tempo permite – isto é, tudo – e o ano que está a chegar será o ano da nossa vida – um ano de encontro. Sim, que é de encontro que andamos precisados e não de fugas. Não é ali nem depois que começará a nossa vida. É aqui e agora que ela começa e se realiza.

Ah, sempre querem, como a tal senhora, saber qual então o segredo para o meu alegado bom aspecto? Antes de mais se algum aspecto ainda tenho ele deve-se mais à diligência dos genes que a qualquer outra coisa. Mas há, sem dúvida, um segredo, que infelizmente tardo em assimilar, para a eterna juventude da alma que se espelha no corpo: é darmo-nos a nós sem darmos pelo tempo.

É em nós que está a possibilidade de sermos felizes e não nos indicadores. Proponho uma birra nacional: mandemos os indicadores às ortigas e façamos a nós próprios essa sublime surpresa de sermos felizes. AGORA. Sem esperar pela passagem de ano.

Por: José Antunes de Sousa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close