Violência Psicológica ou a Inocuidade das Pequenas Contrariedades Inocentes

305
Nuno_Gonçalves

Nuno Gonçalves

O tom coloquial de uma escrita que procura criar, na inevitabilidade do monólogo, um espaço de diálogo prende o verbo numa espiral de reflexões e frases. Por mais sugestivas que ambas sejam estão limitadas nos seus méritos pela ausência de dados que ilustrem e fundamentem as ideias que frutificam na mente dos interlocutores.

Todos já assistimos a acções que configuram violência psicológica: prepotência, coacção, abuso de poder ou de posição, chantagem, ameaça, gritos, arbitrariedade e todo o tipo de possibilidades que o meio laboral, familiar ou grupal propiciam.

As ocorrências têm o dom de parecerem, a quem está de fora, episódicas, descontínuas. Porém estes episódios, para quem está sujeito a eles geram uma percepção de submersão integral, inelutável, inescapável.

Hoje poderia falar das perdas afectivas, mais associadas às relações significativas familiares e do núcleo social próximo da pessoa, das perdas produtivas, directamente identificadas com o trabalho.

Continuaria a discorrer abstractamente, de forma asséptica e insípida e os meus interlocutores bocejariam com a aridez do texto pois muito válidas que fossem as palavras aqui registadas.

A Violência Psicológica, de que o Assédio Moral é apenas uma forma de exercê-la, tem um impacto poderoso nas pessoas, não apenas no plano social.

Os seus efeitos são indeléveis e cumulativos, um pouco como os excessos de exposição solar e são independentes da forma. Se é uma acumulação de excessos quase assintomáticos ou de evidentes mas esporádicos escaldões.

Considerando que a posse da informação é necessária para que cada um reflicta e formule o seu próprio juízo apresento uma recolha breve das consequências psicossomáticas e psicológicas que resultam das agressões que a pessoa sujeita à Violência Psicológica pode contrair.

Antes de lerem a tabela tenham presente que as queixas sem enquadramento e identificação das razões tendem a ser associadas à doença física, do foro exclusivamente médico e que dificulta a intervenção dado o curso da patologia poder apresentar-se caprichoso visto as razões que desencadearam a doença não serem físicas nem se extinguirem com o tratamento.

Quem vive em situação de Violência Psicológica deve procurar auxílio psicológico em paralelo com os cuidados médicos pois encontra-se numa situação complexa em que as consequências das suas circunstâncias de vida se manifestam fisicamente mas em que a sua natureza é relacional e psicológica.

Intencionalmente não são referidas as doenças, psicossomáticas e psicológicas, que podem afectar a pessoa. A manifestação ou a ausência de doença depende de diversos factores que variam individualmente e em função das circunstâncias de vida.

A prevenção e o combate à Violência Psicológica, para além da sua dimensão pessoal, é uma questão de Justiça, de Saúde Pública e de Economia.

A sensibilização dos agentes Sociais pode ajustar-se às características específicas de cada área social e ser pedagógica alertando para os benefícios das boas práticas tanto para a organização social como para a pessoa.

Por: Nuno Gonçalves
“escreve sem acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close