Galp aposta na eficiência energética para redução de CO2e

Galp aposta na eficiência energética para redução de CO2e

A Galp reduziu a pegada ambiental em mais de 500 mil toneladas de CO2e em 2018, com a aposta na eficiência energética que evita emissões de 100 mil toneladas de CO2e nas refinarias de Sines e Matosinhos.

O programa estruturado de investimentos da empresa, contribui para que clientes e consumidores que abastecem na rede Galp, tenham igualmente reduzido a sua pegada ambiental.

O principal contributo da Galp em 2018 passou pela incorporação de biocombustíveis de origem renovável no gasóleo e na gasolina consumidos em Portugal, com um ganho global de 360kt de CO2e. Grande parte do restante contributo teve origem em programas de ecoeficiência que evitaram a emissão de 100kt de CO2e.

A marca tem vindo a reforçar os seus investimentos em projetos de eficiência energética e ambiental nas suas refinarias de Sines e do Porto, as suas unidades com maiores consumos de energia que, até 2023, irão receber investimentos de €66 milhões em projetos de ecoeficiência. Este valor soma-se aos €23 milhões investidos nesta mesma área nos últimos três anos. As emissões evitadas até 2023 ultrapassam as 150kt de CO2e.

Em 2021, a Galp pretende que as suas duas refinarias atinjam o primeiro quartil das refinarias mais eficientes da Europa na utilização da energia, única garantia também de sustentabilidade económica num setor cada vez mais concorrencial e dinâmico. Para isso, ambas as refinarias têm em curso planos de investimento que irão reduzir em 25% as emissões de carbono por cada unidade produzida na Refinaria de Sines, e em 15% na Refinaria de Matosinhos.

Para Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp, que se encontra em Nova Iorque, onde participa na Cimeira da Ação Climática convocada pelas Nações Unidas: “A transição energética que o nosso planeta exige é urgente e prioritária,” afirmou, acrescentando que: “Temos que garantir que esta transição é ambientalmente adequada, socialmente justa e economicamente equilibrada”.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close