Home » OPINI√ÉO... » Sa√ļde (Opini√£o) » Sa√ļde para todos e escolhas criteriosas
Catarina Canha - Sa√ļde para todos e escolhas criteriosas
Drª Catarina Canha / Sociedade Portuguesa Medicina Interna

Sa√ļde para todos e escolhas criteriosas

O dia 7 de abril foi o escolhido para celebrar o Dia Mundial da Sa√ļde. Este ano o mote para este dia, escolhido pela Organiza√ß√£o Mundial de Sa√ļde (OMS), foi Sa√ļde para todos.

A OMS foi fundada h√° 75 anos com o objetivo de promover a sa√ļde e garantir que todos t√™m acesso aos melhores cuidados de sa√ļde e bem-estar. Ao compararmos a realidade atual, com a situa√ß√£o existente no momento da funda√ß√£o da OMS, n√£o podemos deixar de festejar as vit√≥rias alcan√ßadas. Este percurso deve tamb√©m tornar-nos cada vez mais exigentes, com a habilidade de nos adaptarmos a novos desafios.

A literacia em sa√ļde √© um pilar fundamental para promover o bem-estar. A facilidade atual de acesso a informa√ß√£o, aumenta a responsabilidade de todos perante as decis√Ķes que se tomam. Temos, contudo, que saber reconhecer quais as fontes de conhecimento mais e menos fidedignas, saber a quem recorrer perante hipot√©ticas d√ļvidas ou para discuss√£o da informa√ß√£o obtida. Uma popula√ß√£o bem informada sabe exigir os cuidados corretos que lhe devem ser prestados e sabe tamb√©m onde e quando recorrer para que estes cuidados sejam os mais eficazes. Uma popula√ß√£o bem informada sabe distinguir entre situa√ß√Ķes que carecem de uma avalia√ß√£o urgente, de situa√ß√Ķes, que embora importantes, podem ser resolvidas de uma outra forma. Uma popula√ß√£o bem informada sabe fazer escolhas que promovem a sa√ļde e o bem-estar, prevenindo doen√ßa e ajudando no tratamento de doen√ßas j√° estabelecidas.

A Medicina Interna pautando-se por robustez científica, abrangência e capacidade de adaptação é um dos elos fundamentais entre o doente e o conhecimento.

Garantir que todos temos acesso a cuidados de sa√ļde n√£o quer dizer que todos devamos fazer as mesmas escolhas, sendo que o que √© necess√°rio a um, n√£o √©, obrigatoriamente, necess√°rio a outro. Um elevado n√ļmero de exames, ou a realiza√ß√£o de exames de elevada complexidade, n√£o est√° diretamente relacionado com a qualidade dos cuidados que recebemos. A realiza√ß√£o de exames desnecess√°rios exp√Ķe-nos a potenciais riscos como a ansiedade gerada por suspeita de doen√ßa, que posteriormente n√£o se confirma. Estas suspeitas que podem surgir num exame que um indiv√≠duo saud√°vel e assintom√°tico realiza sem qualquer justifica√ß√£o cl√≠nica, muitas vezes d√£o origem a uma cascata de outros exames e interven√ß√Ķes, nenhuma isenta de riscos, para se conseguir desconstruir esta hip√≥tese de doen√ßa. Garantir que h√° cuidados de Sa√ļde para todos, passa tamb√©m por saber adequar os exames a cada situa√ß√£o. Uma observa√ß√£o m√©dica que n√£o resulte na prescri√ß√£o de exames ou tratamentos √©, frequentemente, conotada pelo doente como de menor qualidade. A vontade de realizar exames, apesar da aus√™ncia de justifica√ß√£o para os fazer, √© dif√≠cil de contrariar. Literacia em sa√ļde √© tamb√©m desmistificar esta ideia e garantir que os exames e tratamentos necess√°rios, s√£o corretamente disponibilizados a quem deles necessita.

Em 2012 surgiu, nos Estados Unidos da Am√©rica (EUA) um programa de Educa√ß√£o para a Sa√ļde designado por Choosing Wisely, criado pela American Board of Internal Medicine. Em portugu√™s este programa designa-se por Escolhas Criteriosas em Sa√ļde e tem como principal objetivo promover escolhas em Sa√ļde baseadas na melhor evid√™ncia cient√≠fica dispon√≠vel, promovendo a utiliza√ß√£o adequada de exames complementares de diagn√≥stico e reduzindo o n√ļmero de interven√ß√Ķes desnecess√°rias, sem efic√°cia/evid√™ncia comprovada e/ou com uma rela√ß√£o risco-benef√≠cio desfavor√°vel. Este programa √© uma iniciativa centrada no doente, que pretende a melhoria da qualidade dos servi√ßos de sa√ļde, a preven√ß√£o da ocorr√™ncia de dano e a promo√ß√£o da discuss√£o cient√≠fica sobre as decis√Ķes mais corretas para rastrear, estudar e tratar determinadas situa√ß√Ķes. A uniformiza√ß√£o de procedimentos levar√° √† otimiza√ß√£o da comunica√ß√£o entre doentes e profissionais de sa√ļde, promovendo a tomada de decis√Ķes informadas e partilhadas.

Sa√ļde para todos, implica que todos trabalhemos juntos, implica tamb√©m fazer escolhas que promovam uma vida saud√°vel, procurar informa√ß√£o cred√≠vel que nos ajude a tomar decis√Ķes e exigir os cuidados mais corretos e adequados.

Catarina Canha
Sociedade Portuguesa Medicina Interna

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.